Artrite Reumatóide

Portuguese guidelines fot the use of biological agents in rheumatoid arthrits - October 2011 update

Os autores apresentam a actualização dos Consensos sobre a utilização de terapêuticas biológicas na artrite reumatóide (AR), elaborados por um grupo de trabalho da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR). Nestas normas nacionais são discutidos os critérios para início e manutenção de terapêutica biológica, contra-indicações para a sua utilização e actuação se o doente for não respondedor.

Para início de terapêutica biológica (com um antagonista do factor de necrose tumoral, abatacept ou tocilizumab) os doentes com AR devem ter um disease activity score 28 (DAS 28) igual ou superior a 3,2, após pelo menos 3 meses de tratamento com metotrexato (MTX) na dose mínima de 20mg/semana, ou, na impossibilidade de tratamento com MTX nesta dose, após 3 meses de outro fármaco convencional modificador da doença ou associação terapêutica. Está previsto também o início de terapêutica biológica em doentes que, sob terapêuticas convencionais, apresentem um DAS28 entre 2,6 e 3,2 e tenham uma significativa degradação funcional ou radiológica. O objectivo terapêutico deverá ser atingir a remissão ou, pelo menos, uma baixa actividade da doença traduzida por um DAS28 inferior a 3,2, sem degradação funcional ou radiológica significativa.

São considerados critérios de resposta após os primeiros 3 meses de terapêutica a verificação de uma redução do DAS28 igual ou superior a 0,6. A partir dos 6 meses de terapêutica considera-se a existência de resposta clínica se os doentes apresentarem uma redução do DAS28 superior a 1,2. Nos doentes considerados não respondedores o Reumatologista assistente poderá optar por mudar para outro agente biológico (antagonista do factor de necrose tumoral, abatacept, rituximab ou tocilizumab).

KEYWORDS

Artrite Reumatóide; Terapêutica Biológica; Recomendações

Portuguese guidelines fot the use of biological agents in rheumatoid arthrits - October 2011 update