Síndrome de Sjögren

Como se faz o diagnóstico?

A Síndrome de Sjögren é uma doença relativamente difícil de diagnosticar, uma vez que as manifestações mais frequentes – secura oral e ocular – podem ocorrer em pessoas com outras doenças reumáticas ou sob determinadas terapêuticas, e podem evoluir lentamente, não alertando o doente ou o médico para a possibilidade de existir uma doença responsável pelas queixas. Para além disso, trata-se de uma doença pouco comum, pouco falada e, consequentemente, desconhecida de muitas pessoas. Por este motivo é muito importante a referenciação precoce e adequada para uma consulta de Reumatologia assim que a suspeita clínica da Síndrome de Sjögren seja colocada pelo médico assistente.

O diagnóstico baseia-se fundamentalmente nos dados clínicos, conjugados com resultados de exames laboratoriais (análises), imagiológicos (radiografias, ecografias e outros) e histológicos (biópsias). A avaliação pelo Reumatologista, Oftalmologista e Estomatologista/Dentista é essencial e deve ser realizada sempre que possível numa fase inicial.

A história clínica e exame objectivo são essenciais para determinar a presença e gravidade das queixas secas, oculares e orais, bem como avaliar a presença de alterações noutras localizações.

A função das glândulas salivares pode ser avaliada por sialometria (medição da quantidade de saliva produzida num determinado período) ou cintigrafia, mas o exame chave é a biopsia das glândulas salivares labiais. Este é um procedimento simples em que são retiradas algumas das inúmeras glândulas salivares existentes na mucosa oral, através de uma pequena incisão no lábio inferior, para pesquisa ao microscópio da presença de inflamação activa ou passada.

A falta de lágrima pode ser objectivada através do Teste de Schirmer e a pesquisa de complicações como a queratite (lesão da córnea) é muito importante e deve ser efectuada numa consulta de Oftalmologia.

O envolvimento de outros órgãos e sistemas deve ser avaliado através da história clínica e exame objectivo e em caso de suspeita podem ser requisitados mais exames complementares.

As análises laboratoriais mais importantes incluem auto-anticorpos como os anticorpos antinucleares (ANA) e o factor reumatóide, que podem existir numa proporção de pessoas saudáveis e não são sinónimo de doença e os anticorpos anti-SSA e anti-SSB que são mais específicos da Síndrome de Sjögren, mas podem também estar presentes noutras doenças reumáticas sistémicas.

Seguinte >