Gota

Como se faz o diagnóstico?

O diagnóstico definitivo de gota é facilitado pela identificação de cristais de monourato de sódio (MUS - forma de acumulação de ácido úrico) no líquido sinovial ou em aspirado de tofos gotosos. Nesse sentido, as recomendações internacionais sugerem a procura sistemática de cristais de MUS no líquido sinovial obtido a partir de articulações inflamadas em doentes ainda sem diagnóstico. Além disso, a identificação destes cristais no líquido sinovial durante períodos assintomáticos pode igualmente possibilitar o diagnóstico. O diagnóstico presuntivo pode ser possível com base na clínica em doentes com hiperuricemia, sinais e sintomas característicos (presença de artrite e tofos) e resposta prévia favorável a fármacos eficazes nesta doença.

Os exames complementares têm um papel limitado mas, ainda assim, têm alguma utilidade para o diagnóstico diferencial com outras patologias. Por exemplo, o exame microbiológico do líquido sinovial permite a distinção entre uma crise de gota e uma artrite infeciosa.

Por serem habitualmente inespecíficos em fases iniciais, os achados radiográficos não permitem o diagnóstico de gota inicial ou aguda. No entanto, em situações de doença mais avançada, podem documentar erosões com margens escleróticas. A ecografia articular pode identificar inflamação (derrame articular ou Doppler positivo), lesões de doença evoluída (erosões intra-articulares e tofos) ou sinais ecográficos sugestivos de acumulação de cristais (sinal de duplo contorno). A Tomografia Computorizada e a Ressonância Magnética não são habitualmente necessárias, embora permitam visualizar tofos gotosos e erosões ósseas.

Os níveis sanguíneos de ácido úrico não determinam (nem excluem) o diagnóstico de gota, pois nem todos os indivíduos com hiperuricemia desenvolverão gota e os níveis de ácido úrico podem estar enganadoramente baixos durante uma crise. São porém importantes para monitorizar a evolução clínica de uma gota crónica, permitindo ajustar a dose de medicação em função dos valores de ácido úrico e da evolução dos sintomas.

Seguinte >