Esclerose Sistémica

Como se trata?

Presentemente não há nenhum medicamento que trate todas as manifestaçõesda ES, ou seja, não existe nenhum tratamento globalmente efetivo específico para a doença. Assim, a abordagem é baseada nos sintomas e manifestações de cada doente e o tratamento é frequentemente dirigido a cada órgão envolvido. Existem ainda medidas não medicamentosas que os doentes podem adotar para complementar o seu tratamento e melhorar a sua qualidade de vida.

- Fenómeno de Raynaud e úlceras digitais: importante evitar exposição ao frio, stress, cafeína e tabaco; alguns medicamentos reduzem a frequência e severidade do FR, outros previnem as úlceras digitais enquanto outros ajudam no tratamento das úlceras ativas.

- Esclerose cutânea: são utilizados medicamentos que atuam no sistema imune e há vários estudos em curso nesta área; o exercício físico e fisioterapia são importantes para manter a flexibilidade e limitar as contraturas. Hidratação da pele  com cremes adequados e hidratação das mucosas (por exemplo lágrimas artificiais no caso de secura ocular que o justifique) são também medidas importantes, já que a secura de pele e mucosas é um sintoma proeminente em alguns doentes.

- Manifestações gastrointestinais: usam-se sobretudo agentes que reduzem a acidez gástrica), que ajudam a acelerar o trânsito intestinal, e podem ser usados antibióticos nos casos de diarreia/obstipação significativas.

- Atingimento renal: vigiar a tensão arterial (TA) é muito importante e os doentes devem adoptar um estilo de vida saudável com cuidados de alimentação que evitem o sal. Quando há lesão do rim são usados medicamentos específicos de controlo da TA.

- Envolvimento pulmonar: quando o pulmão está atingido usam-se medicamentos dirigidos ao controlo do processo, denominados imunossupressores e podem associar-se corticóides. Nos doentes que desenvolvem hipertensão pulmonar a terapêutica é individualizada à gravidade da situação e complicações associadas e deve ser instituído em centros especializados.

- Sintomas musculoesqueléticos: se existir inflamação das articulações podem usar-se agentes específicos para controlo destes sintomas em associação a analgésicos e antinflamatórios não esteróides. O exercício físico e fisioterapia podem ser benéficos.

- Outros cuidados: uso de roupa e calçado adequados são importantes são só para protecção contra o frio, mas também para proteção contra pequenos traumatismos. Nos doentes com ES a circulação periférica está comprometida e como tal, mesmo traumatismos minor podem tornar-se problemáticos por deficiente cicatrização.

Seguinte >