Artrite Reumatóide

Como se faz o diagnóstico?

O diagnóstico deve ser o mais precoce possível, com iniciação rápida do tratamento. Estudos científicos demonstram que no período inicial da doença há uma oportunidade única para influenciar o progresso da doença. O desafio para o médico é reconhecer os primeiros sintomas e encaminhar precocemente.

O diagnóstico é essencialmente clínico; as investigações são importantes na avaliação e exclusão de outros diagnósticos possíveis.

Algumas das investigações realizadas são inespecíficas, podendo estar alteradas em várias doenças:

a)     Velocidade de sedimentação e proteína C reativa (parâmetros analíticos que traduzem inflamação): na AR costumam estar elevadas, mas podem ser normais.

b)    Hemograma: anemia normocítica normocrómica e trombocitose (aumento das plaquetas) reativa são comuns na doença ativa.

c)     Fator Reumatóide: Deve ser requisitado em doentes com suspeita de terem AR, ou seja, naqueles em que se encontrou artrite no exame objectivo. Este é positivo em 60-70% dos doentes (e 5% da população normal). Pode ser positivo em outras doenças pelo que se deve ter atenção à sua interpretação.

d)    Anticorpo contra péptidos citrulinados (anti-CCP): Deve ser requisitado se suspeita de AR, se o paciente é negativo para o fator reumatóide ou na eventualidade de se ponderar terapia de combinação. Este anticorpo é mais específico do que o fator reumatóide na AR e pode ser mais sensível na doença erosiva.

e)     Anticorpo antinuclear (ANA): pode ser positivo em cerca de 30% dos pacientes com AR

f)     Radiografias das mãos e dos pés: Quandorealizados no início da doença, podemser normais se a doença tiver pouco tempo de evolução. Devem ser repetidos durante a monitrização da doença.

Seguinte >