Artrite Reactiva

Como se trata?

A utilização de antibióticos não tem como objectivo tratar especificamente a artrite, mas pode ser indicada para o tratamento de infecção génito-urinária activa. O doente e o seu parceiro sexual devem receber tratamento antibiótico para a infecção genital por Chlamydia trachomatis.

Também as infecções respiratórias por Chlamydia (ou Chlamydophila) pneumoniae necessitam de tratamento antibiótico.

Os antibióticos não estão indicados nas infecções gastrointestinais não complicadas, mas podem ser usados em alguns casos específicos de doentes mais idosos, com doença grave ou com perturbações do sistema imunitário (de defesa).

Não existe evidência clínica de que a utilização de antibóticos promova a melhoria da dor articular ou o encurtamento da duração da doença (após a dor articular já se ter desenvolvido).

O tratamento da artrite passa pela utilização de agentes anti-inflamatórios e supressores do sistema imunitário em duas fases da doença: aguda e crónica. A maioria dos doentes vai ter uma doença autolimitada e vai precisar apenas de analgésicos e anti-inflamatórios não esteróides (como o ibuprofeno, naproxeno ou diclofenac) que são utilizados para reduzir a dor articular e o inchaço. Pode ser necessário utilizar regularmente doses elevadas por um período de até 2 semanas para ser poder avaliar a sua eficácia.

No caso de não haver melhoria pode haver necessidade de utilização de corticosteróides na forma de uma injecção na articulação, seguido ou não deste fármaco em comprimidos durante um curto período de tempo.

No caso de estas terapêuticas falharem, da doença ser grave, persistente ou recorrente, pode ser necessário recorrer a outros fármacos como a sulfassalazina, o metotrexato, a leflunomida ou a terapêutica biológica com agentes bloqueadores do factor de necrose tumoral (por exemplo: etanercept, infliximab, adalimumab) ou tocilizumab.

O tratamento das manifestações extra-articulares necessita de intervenções adicionais. Para os casos de inflamação ocular podem utilizar-se gotas oculares de corticosteróide. No caso de desenvolvimento de dor ocular ou alterações da visão a observação por Oftalmologista é imprescindível para um eventual diagnóstico de inflamação da íris (uveíte anterior). Pode utilizar-se corticosteróides tópicos para o tratamento de úlceras da mucosa oral, assim como para lesões cutâneas como pústulas, onde também se pode aplicar salicilatos tópicos, vitamina D tópica e retinóides.

Seguinte >